Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
mais mulheres

Campanha Mais Mulheres na Política é lançada no Piauí

  • Publicado: Segunda, 15 de Junho de 2015, 00h00
  • Última atualização em Quinta, 09 de Julho de 2015, 11h41
Tamanho da letra:

058A058A“ Mesmo que a cota não seja aprovada, vamos continuar lutando pelos 30% das vagas nas casas le-gislativas para as mulheres”, informou a senadora Regina Sousa(PT-PI) durante o lançamento da campanha Mais Mulheres na Política, a reforma que o Brasil precisa, lançada na manhã desta se-gunda-feira, 15,no Cine Teatro da Assembleia Legislativa, em Teresina. O evento reuniu lideranças da capital e interior e contou com a presença de autoridades, como o governador Wellington Dias, a vice-governadora Margarete Coelho, prefeitas e parlamentares.

A senadora Regina Sousa (PT) e a deputada Iracema Portela (PP) foram as organizadoras do evento no Piauí. A parlamentar petista enfatizou que mesmo que a proposta seja rejeitada pela Câmara, a campanha será mantida. “ Vamos levar o debate para asa bases. Vamos conquistar os 30%, quere-mos a paridade. É o Brasil que precisa da mulher na política.”

A deputada Iracema Portela(PP) fez um relato da situação feminina nos parlamentos mundiais e destacou que o Brasil está atrasado em relação à participação das mulheres na política. Atualmente o Senado Federal conta com 13 senadoras e a Câmara dos Deputados com 51 mulheres. No Piauí, somente a deputada Iracema. A deputada Rejane Dias foi eleita, mas está licenciada e comanda a Secretaria de Educação Estado. A parlamentar participou da solenidade, juntamente com as verea-doras Rosário Bezerra(PT) e Cida Santiago (PHS) de Teresina.

Para a procuradora especial da Mulher no Senado, Vanessa Grazziotin (PC do B-AM) as mulheres ainda não chegaram à paridade por que há barreiras e faltam oportunidades. E citou o caso da Ar-gentina que antes tinha 13% de participação feminina no Parlamento e atualmente tem 37%. “Mu-lher no Parlamento faz toda a diferença. O que o olhar masculino não ver, o feminino ver. E vice-versa.” A senadora do Amazonas destacou ainda que as mulheres não querem ocupar o espaço dos homens, querem ocupar o espaço que os homens tiraram delas.

Caravanas de várias cidades compareceram à solenidade, realizada no Cine Teatro da Assembleia Legislativa. A presidente da Câmara Municipal de Campo Maior, a 80 km de Teresina, Josenaide Nunes (PP), informou que o município nunca foi administrado por uma mulher e ela a segunda vere-adora a presidir o Legislativo municipal e por isso a importância da campanha. A presidente da Uni-ão Brasileira de Mulheres, Zelma Cavalcante ressaltou que para ampliar a democracia é preciso au-mentar a participação feminina no Parlamento. “ A UBM quer é 50% de parlamentares em todas as instâncias.”

A vice-governadora Margarete Coelho também ressaltou a importância em aumentar a presença fe-minina nas Casas Legislativas, e por isso disse que apoia e incentiva a campanha nacional. A prefeita de Cocal de Telha, Ana Célia, de Pedro II, Neuma Café e de Luís Correia, Adriane Prado participa-ram da solenidade.
Para um auditório lotado, o governador Wellington Dias disse que é preciso haver pressão para a proposta sair vitoriosa na votação de terça-feira, na Câmara dos Deputados. “O Piauí se sente orgu-lhoso em receber esse evento”. O govenador parabenizou as mulheres pela iniciativa da campanha que já lançada em Estados como São Paulo, Rio Grande do Sul, Amazonas e Roraima. Na próxima semana será em Cuiabá (MT).

O Momento cultural do lançamento da campanha Mais Mulheres na Política no Piauí foi o jingle interpretado pela cantora Virna Lise, na abertura, e pelo grupo Maria Fulô que fez o encerramento do evento que contou com um público de mais de 500 pessoas.

Caso de Castelo

Na abertura do evento, a senadora Regina Sousa e a deputada Iracema Portela lembraram o caso das meninas que foram violentadas em Castelo do Piauí, a 180 km da capital. O público fez um minuto de silêncio em homenagem a adolescente Danielly Rodrigues, uma das vítimas que não sobreviveu à violência cometida por quatro jovens e um adulto no dia 27 de maio e que faleceu no dia 6 de ju-nho.A presidente da União da Juventude Socialistas, Isadora Cortez leu uma nota de repúdio contra o estupro coletivo.A presidente da União Brasileira de Mulheres leu a nota pública da ONU.

registrado em:
Assunto(s): campanha
Fim do conteúdo da página