Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Resgate do papel social dos bancos é desafio

  • Publicado: Quarta, 29 de Agosto de 2018, 15h09
  • Última atualização em Terça, 04 de Setembro de 2018, 17h21
  • Acessos: 59
Tamanho da letra:

Diálogos CapitaisDiálogos CapitaisTeresina recebeu nesta quarta-feira, 29, no Hotel Arrey, debate da série Diálogos Capitais, da revista CartaCapital, em parceria com a Fenae, sobre o papel dos bancos públicos no desenvolvimento econômico e social do Brasil. O evento contou com a participação do economista Luiz Gonzaga Belluzzo e do professor do Instituto de Economia da Unicamp, Pedro Rossi.


"Os bancos públicos foram fundamentais para o desenvolvimento econômico e social do Brasil. Quando o País recobrar a sanidade, e eu espero que isso aconteça brevemente, a discussão sobre o papel das instituições do Estado no processo de retomada voltará ao eixo normal. Este debate é uma forma de antecipar esse momento", observa Belluzzo, que deu uma verdadeira aula sobre a importância dos bancos públicos para o desenvolvimento do Brasil nos anos 50 a 80, assim como para o Japão e Coreia.


O governador Wellinton Dias foi o primeiro orador e falou da impotância dos bancos públicos para o desenvolvimento do Piauí, especialmente para os principais investimentoss (infraestrutura rodoviária e mobilidade urbana). "Um país não pode abrir mão de um instrumento para resolver interesses do povo", declarou.


Bancária como o governador e ex-presidente do Sindicato dos Bancários no Piauí, a senadora Regina Sousa participou do debate. "É importante discutir o papel social dos bancos. Essas instituições precidam dar um retorno social. Não ser apenas o lucro pelo lucro como está sendo no atual governo", frisou.


No início deste mês, a senadora sugeriu e foi promovida na Comissão de Direitos Humanos do Senado Federal uma audiência pública para tratar do tema. "Fechamento de agências e postos de trabalho estão causando muitos prejuízos para as pessoas que moram nos rincões desse Brasil e que andam agora cerca de 150 km para receberem seus benefícios", afirmou, acrescentando: "Está havendo um desmonte dos bancos públicos com vistas à privatização, em que os mais afetados são as pessoas que precisam de financiamento na área habitacional, agricultura, obras de infraestrutura, projetos de geração de renda e políticas sociais ".

registrado em:
Fim do conteúdo da página